Artigo de Guilherme André
17-05-2020

O Ford Fiesta foi originalmente desenvolvido sob o nome de código “Bobcat”. Tudo começou depois da marca oval ter decidido avançar para segmentos mais baixos do mercado, após verificar todo o sucesso conseguido pelo Mini. Perante isto, o próprio Henry Ford deu a aprovação para o projeto seguir para o processo de industrialização em 1972. De referir que o processo de desenvolvimento decorreu em Colónia, Alemanha.

Leia ainda: Fiat 127, um dos carros que conquistou os portugueses nos anos 70

Para além disso, o Fiesta beneficiou da criação da Fábrica de Valência, instalações essas que serviram para a montagem do compacto. A primeira aparição do Ford Fiesta aconteceu nas 24 Horas de Le Mans de 1976, como meio de comemoração dos 10 anos após a primeira vitória do Ford GT40.

Veja o vídeo:

Ford Fiesta estreou-se na Europa

A comercialização começou em setembro do mesmo ano no mercado europeu, mas o entusiasmo foi de tal maneira convincente que Henry Ford decidiu alargar ao mercado norte-americano, porém, com argumentos diferentes. Focando na versão europeia, que também chegou a Portugal, destacava-se pelos novos motores com 957 cc e 1117 cc. Estes podiam ser associados a vários níveis de equipamento, todos eles pensados para um determinado tipo de cliente. Falamos de Base, Popular, Popular Plus, L, GL, Ghia e S.

Clique aqui para se juntar ao Automundo no Facebook

Por fim, o Ford Fiesta da primeira geração rapidamente se tornou no best-seller da marca e mantém-se como um dos modelos mais importantes da marca até aos dias de hoje. Este MK1 é cada vez mais raro no mercado, mas ainda se encontram alguns à venda em bom estado.

Percorra a galeria e relembre o clássico.

Artigos Relacionados

Artigos Relacionados

Top