Artigo de Equipa Automundo
26-05-2021

Apresentado como “concept” no Salão de Paris de 1998, o Clio Renault Sport V6 começou a ser produzido em 2000, dando origem a um dos modelos mais espetaculares, fora da “bolha” e icónicos, não só da Renault, mas de toda uma indústria. Equipado com um motor 3.0 V6 24V montado em posição central traseira, o Clio V6 é um daqueles raros automóveis que se transformou num clássico no dia em que foi apresentado. A Renault está a celebrar os 20 anos do Clio V6, mas quem tem motivos para regozijo são todos os amantes desta indústria ou não fosse este produto da divisão desportiva da marca, uma verdadeira ode aos automóveis exóticos e verdadeiramente especiais.

Veja também: Alfa Romeo Giulietta, o familiar que alia dinâmica e elegância como poucos

Renault CLIO V6, o clássico desportivo dos tempos modernos

Desde o momento em que foi dado a conhecer, ainda sob a forma de um “concept car”, em 1998, o Clio V6 cativou entusiastas e criou uma legião de fãs, rendidos ao seu compromisso, sem reservas, com as prestações e o “look” de um automóvel de competição. Não sendo de estranhar que, para muitos, o Renault Clio V6 esteja mais próximo dos supercarros de ralis de Grupo B da década de 80 do que do utilitário de tração dianteira do qual deriva. Desde o primeiro momento, o Clio V6 não teve rival à altura. Este era o único hatchback de motor central no mundo e a sua vocação desportiva e agressividade eram tão vincadas que os clientes foram convidados a integrar a “Experiência V6”, onde poderiam testar as capacidades do Clio em ambiente controlado e com instrutores dedicados e certificados.

Veja também: CLA Coupé, o mais dinâmico e emocional dos A da Mercedes-Benz

A produção muito limitada também era um ingrediente fundamental desta aura de exclusividade que, ainda hoje, rodeia o mítico modelo da Renault. Para muitos entusiastas, a decisão de adquirir o Clio V6 obrigou a um período de espera que chegou a ser de dois anos. Cada unidade foi manufaturada e numerada individualmente, com o respetivo número afixado numa placa colocada na consola central. Mas não foram apenas os clientes a ficarem rendidos ao puro-sangue da Renault. A imprensa especializada também não poupou nos elogios ao Clio V6, enaltecendo o exotismo e a exclusividade do modelo, assim como o acompanhamento “vocal” do melodioso V6, com um tom que ecoava na mente.

Veja também: Volkswagen T-Cross, muito mais do que apenas um novo SUV

Por tudo isto, e por muito mais, 20 anos passados o Clio V6 continua a ser tão ou mais procurado do que na época em que foi produzido. Pelo desenho e conceitos únicos, bem como pela sua raridade, este icónico desportivo entrou para o restrito grupo de automóveis altamente colecionáveis, com as melhores unidades a serem comercializadas a preços inimagináveis há uns anos. Verdadeiro ponto alto da história da Renault, o Clio V6 é o epítome da paixão da marca pela inovação e pela criação de automóveis de estrada únicos e especiais. O Clio V6 espelha ainda o compromisso da Renault com a experiência de condução, atributo que continua a influenciar o desenvolvimento de qualquer desportivo nascido sob a égide da marca.

Mais de 15 anos após a última unidade ter saído das linhas de produção em Dieppe, o Clio V6 é visto, atualmente, como um clássico desportivo dos tempos modernos. O pináculo da inovação e filosofia da Renault Sport. Este icónico modelo acabou por trilhar o caminho para toda uma nova geração de Clio R.S. focados na dinâmica. Mas mesmo dentro da gama Renault Sport, a sua influência é evidente na constante busca por esticar os limites na criação de modelos únicos, como o radical Renault Megane R.S. Trophy-R.

Sem surpresas, o Clio V6 atingiu o estatuto de modelo de culto. Ainda que as suas prestações se mantenham impressionantes, o que mais entusiasma os seus fãs é o estilo inconfundível e o seu compromisso, sem concessões, com o prazer de condução. Com o 3.0 V6 colocado em posição central-traseira, o aspeto musculado e as vias mais largas, este é, sem dúvida, um dos pequenos desportivos, mais radical, alguma vez produzido. A sua reputação de automóvel de competição para as estradas acabou por ganhar ímpeto, graças a uma dinâmica exigente, com a brochura oficial do Clio V6 255 a descrever o modelo como “Este é um automóvel para ser conduzido. Agressivo. Exigente. Para um condutor conhecedor e apaixonado. Quanto mais exige dele, mais ele o recompensa.”

Leia ainda: Volvo S90 T8 PHEV, a performance que sabe ser eficiente

Das duas versões, o original oferece uma experiência de condução mais envolvente, mais crua, especialmente quando o conduz perto dos limites. No entanto, o Fase II é considerado por muitos como o mais “utilizável” e preciso. Seja qual for o escolhido, qualquer um deles é muito procurado e continua a bater recordes de preço no mercado de usados. Esta valorização é a prova de que o Clio V6 é visto tanto, como um automóvel de coleção, como um automóvel para ser “pilotado”. Mas quer os seus proprietários tirem partido deste ou não, uma coisa é certa: têm na sua posse um dos automóveis mais lendários e exclusivo que a Renault produziu nos mais de um século de história na indústria automóvel.

Percorra a galeria e veja mais fotos do Renault CLIO V6.

Artigos Relacionados

Artigos Relacionados

Top