Artigo de Guilherme André
02-03-2020

O coronavírus (Covid-19) tem estado na ordem do dia. Depois do cancelamento do GP da China em Fórmula 1 e do Salão Automóvel de Genebra, chegou a vez do MotoGP. De facto, a FIM, IRTA e Dorna anunciaram o cancelamento de todas as sessões da classe rainha no Grande Prémio do Qatar, adiando assim, o regresso de Miguel Oliveira às pistas. Esta medida drástica surge devido às restrições aos passageiros que viajam para o Qatar devido ao coronavírus.

Leia ainda: Ford cria Ranger Raptor preparada para a competição com motor V6

As medidas de segurança impostas em Doha (capital do Qatar) obrigam todos os passageiros vindos de países de risco, nomeadamente Itália, a ficarem no mínimo 14 dias de quarentena. Ora, como as equipas tinham as viagens marcadas para hoje (segunda-feira, dois de março), não teriam tempo suficiente para passar em todos os testes. Sendo Itália um país com um papel importante no MotoGP, tanto em pista como fora dela, o cancelamento da classe rainha era praticamente inevitável.

Clique aqui para se juntar ao Automundo no Facebook

Ainda assim, o fim de semana de MotoGP no Qatar vai acontecer para as classes de Moto3 e Moto2. Isto só acontece porque os pilotos e equipas destas duas classes já estavam no Qatar. Estes encontravam-se a realizar os testes de pré-temporada no Circuito Internacional de Losail.

GP da Tailândia foi adiado e Miguel Oliveira só regressa em abril

Contudo, as alterações não ficam por aqui. As entidades reguladoras do MotoGP anunciaram ainda que o Grande Prémio da Tailândia foi adiado. Este que deveria acontecer a 22 de março no Buriram vai passar para outra data. De momento encontram-se a estudar todas as possibilidades e devem anunciaram a nova data em breve. Assim, o regresso de Miguel Oliveira, que deveria acontecer já no dia 8 de março, fica adiado. Por agora, caso não existam mais mudanças, o regresso acontece a 5 de abril em Austin, Estados Unidas da América.

Artigos Relacionados

Artigos Relacionados

Top