Artigo de Guilherme André
20-09-2019

O piloto alemão Nico Hulkenberg continua sem contrato para 2020 depois da Renault ter anunciado a contratação de Esteban Ocon para o seu lugar. Para além disso, existiam rumores de que o futuro do alemão passasse pela Haas, outra porta que também se fechou. Gunther Steiner (dono da equipa Haas) manteve a dupla de pilotos para 2020, Romain Grosjean e Kevin Magnussen. Um dos fatores, que pode ter sido importante, é o valor a pagar ao alemão.

Leia ainda: Johann Zarco substituído por Mika Kallio até ao fim da temporada

De facto, olhando para os números, Hulkenberg é pago a um valor superior a Romain Grosjean (cerca de cinco milhões de dólares), enquanto Grosjean consegue arranjar patrocinadores para a equipa que garantem 5 milhões de dólares a mais. É do domínio comum que a Haas está a passar por dificuldades financeiras, ou seja, seria um rombo de aproximadamente 10 milhões de euros para a equipa. 

Começou o jogo das cadeiras para Nico Hulkenberg com três possibilidades

Perante estas evidências Nico Hulkenberg tem cada vez menos alternativas. Um dos destinos que pode interessar ao alemão é a Alfa Romeo. Ele já pilotou um Sauber outrora e conhece bem o engenheiro Frederic Vaseur. Contudo, é praticamente impossível retirar o lugar a Kimi Raikkonen, o piloto líder da equipa e um dos mais influentes de todo o paddock. Por outro lado, o jovem Giovinazzi não tem conseguido bons resultados, ainda assim, é um piloto com escola de Ferrari e tem os apoios suficientes para continuar.

Veja também: 10 corridas a que deve assistir ao vivo pelo menos uma vez

Passando para a Toro Rosso, Gasly acabou de “descer” da equipa principal Red Bull e deverá continuar em 2020. Nesta equipa, a única solução passa pela possível saída de Kvyat, algo que está longe de acontecer. Por fim, só falta a Williams que tem, neste momento, um lugar em aberto depois de Robert Kubica ter anunciado a saída.

No entanto, Nico Hulkenberg já referiu que não quer ficar na F1 a todo o custo. O piloto disse que “tem de ser o negócio certo. Não estou desesperado por permanecer na Fórmula 1 e aceitar qualquer coisa”. Perante estas declarações, parece que equipas como a Williams ficam fora do baralho.

Futuro do piloto alemão pode passar por outros campeonatos

Hulkenberg finalizou dizendo que “eu acho que está fora do meu controlo agora. O mais importante é guiar e mostrar-me. Acho que precisamos de tempo. Acho que há possibilidades e uma hipótese realista. Mas neste jogo, nunca se pode ter a certeza”.

Clique aqui para se juntar ao Automundo no Facebook

Ou seja, caso não se concretize a transferência para a Alfa Romeo, o alemão pode aproveitar o currículo, onde conta com uma vitória nas 24 Horas de Le Mans, e tentar um outro campeonato. Ou então, descer uns degraus e passar a piloto de testes em 2020 e voltar a tentar a sorte em 2021.

Foto: Renault, XPB / James Moy Photography

Artigos Relacionados

Artigos Relacionados

Top