Artigo de Equipa Automundo
13-08-2021

Campeão nas pistas, Lewis Hamilton é também o rei dos milhões na Fórmula 1. Em 2021, o piloto britânico volta a ser o mais bem pago do circuito, algo que acontece, de forma consecutiva, desde 2014. E o relevo da notícia, dada a conhecer pela Forbes, não se fica por aqui. É que Hamilton dá, recorrendo à gíria da F1, voltas de avanço aos pilotos que se seguem na lista dos que mais dinheiro levam para casa.

Leia ainda: Fournier, o “carrasco” dos EUA que não deve ser pesquisado no Google

Aquele que já se sagrou campeão mundial em sete ocasiões deverá ver a conta bancária aumentar em qualquer coisa como 53 milhões de euros. Desta verba, 47 milhões dizem respeito ao ordenado que recebe da Mercedes. Aliás, Lewis Hamilton assinou um contrato de 140 milhões com a construtora, que diz respeito a esta época e às próximas duas. Segue-se Max Verstappen com 36 milhões de euros. O terceiro lugar é ocupado por Fernando Alonso, com 21 milhões de euros. O espanhol era o rei dos milhões na altura em que Lewis Hamilton ocupou o primeiro lugar para nunca mais o largar.

Teto orçamental, mas só para as escuderias

Realce para o facto de a análise da Forbes não estar apenas baseada no salário dos pilotos. É também tida em conta a projeção de resultados para a época. O que explica os seis milhões de bónus que foram acrescentados ao ordenado de Lewis Hamilton. Apesar de ser apenas terceiro classificado, Fernando Alonso consegue surpreender. Até porque esteve dois anos fora do circuito. Destaque também para o facto de a Fórmula 1 ter passado a ter tetos orçamentais. Que são aplicados às escuderias, mas que não contemplam os salários dos pilotos. O objetivo é de que exista um maior equilíbrio entre as equipas.

Fotos: Reprodução Instagram

Artigos Relacionados

Artigos Relacionados

Top