Artigo de Guilherme André
13-04-2020

Stirling Moss foi um piloto extraordinário. Correu na época dourada do desporto motorizado, mas também conhecida como a mais perigosa onde os acidentes fatais eram, infelizmente, recorrentes. Nascido em Londres em 1929, Stirling Moss começou nas motos. Mais tarde, com o aparecimento da Fórmula 1 nos anos 50, e depois de se fazer notar também em quatro rodas, é chamado por Alfred Neubauer, para a Mercedes-Benz e torna-se um dos pilotos das “Flechas de Prata”.

Leia ainda: Toni Bou mostra que é possível treinar Trial sem sair de casa

No total, foram sete anos de Fórmula 1, conquistando por quatro vezes o terceiro lugar e o por três vezes o segundo. Para muitos, o único marco que faltava na carreira de Moss era mesmo o título de Fórmula 1 que nunca chegou. Para além desta competição, Stirling Moss dava-se bem em provas de longa duração. De facto, ficou conhecido pelas vitórias em 1955 da Mille Miglia. Já os 1000 kmde Nurburgring conquistou três vezes consecutivas entre 1958 e 1960. Em 1962, um acidente grave em Goodwood deixou-o em coma durante um mês, um facto que o fez abandonar a competição.

Junte-se ao Automundo no Instagram.

 

Ver essa foto no Instagram

 

Uma publicação compartilhada por automundo.pt (@automundo_pt) em

Stirling Moss é conhecido como um “gentleman driver”

Apesar do enorme legado como piloto, Moss continuou ligado ao desporto motorizado. Aliás, foi presença assídua nas últimas décadas nas mais variadas provas e inspirou pilotos como Lewis Hamilton. Episódios como o do GP de Portugal em 1958, onde defendeu o rival Mike Hawthorn depois de ter sido penalizado, demonstra bem o porquê de ser considerado um gentleman driver.

Clique aqui para se juntar ao Automundo no Facebook

Artigos Relacionados

Artigos Relacionados

Top