Artigo de João Isaac
26-04-2019

Os automóveis do campeonato mundial de ralis vão contar, já em 2022, com uma solução híbrida. Apesar de não estar prevista uma versão totalmente elétrica, um propulsor híbrido está nos planos da FIA. O objetivo é manter o desempenho e a performance dos atuais carros do WRC. Para compensar o aumento do peso, está previsto um incremento da potência.

Leia também: Thierry Neuville, o eterno vice-campeão que quer destronar Sébastien Ogier

“Algo que é claro para todos é que vai existir propulsão híbrida. Em conjunto com as marcas, vamos analisar as questões técnicas e tentar perceber as suas ideias para o futuro regulamento” refere Yves Matton, responsável da FIA. No que diz respeito a investimento, “o objetivo não é ter um custo descontrolado como noutras disciplinas. Vamos, sim, estudar uma forma de manter a performance atual, reduzindo o custo”, conclui.

Veja o vídeo:

Outras marcas a caminho

As alterações ao regulamento já despertaram o interesse de outras marcas, embora ainda não se saiba quais. A confirmar-se, o pelotão de Citroën, Ford, Hyundai e Toyota poderá vir a crescer. Nesta primeira fase, o objetivo é ter o regulamento técnico fechado até ao fim do ano para depois ser apresentado aos construtores interessados. Atualmente, os motores utilizados são 1,6 Turbo com uma potência de cerca de 380 cavalos.

Artigos Relacionados

Artigos Relacionados

Top