Artigo de Equipa Automundo
03-05-2021

O DB5 é um dos modelos mais icónicos da história da indústria automóvel e foi um carro que muito contribuiu para tornar a Aston Martin uma das mais conhecidas marcas em todo o mundo e um autêntico símbolo da cultura popular britânica. Para tal, contou com a ajuda do agente secreto mais famoso de sempre. O senhor Bond. James Bond.

Uma curta história do DB5

A série DB surgiu em 1948, com aquele que na altura era conhecido como Aston Martin 2 -Litre Sports (hoje chamam-lhe simplesmente de DB1). Trata-se de um carro que foi desenvolvido ainda durante a Segunda Guerra Mundial e que foi baseado no Aston Martin Atom, um protótipo desenhado pelo engenheiro Claude Hill. Curiosamente a sigla DB refere-se a David Brown, que comprou a Aston Martin no ano anterior ao lançamento do DB1 e que viria a tornar-se uma verdadeira lenda na indústria. Desde então, foram já 13 modelos diferentes ao longo de mais de 70 anos, isto se incluirmos o DB10, que foi desenvolvido especificamente para o filme Spectre da saga 007 (apenas 10 unidades foram produzidas).


Entre tantas versões, por que é o DB5, lançado já no longínquo ano de 1963, a que mais se continua a destacar? A resposta está nesse modelo e no cinema.

Tal como o seu predecessor, também o DB5 foi desenhado pela construtora de veículos italiana Carrozzeria Touring Superleggera. Ele é, aliás, uma espécie de evolução do modelo anterior, mantendo as linhas estéticas simultaneamente elegantes e desportivas. Das principais alterações destacam-se o motor completamente em alumínio e com uma maior capacidade (4.0L em vez dos anteriores 3.7L) e a nova transmissão robusta de 5 velocidades desenvolvida pela alemã ZF. Tinham também alguns extras que eram considerados verdadeiros luxos: assentos reclináveis, vidros elétricos, depósito de combustível duplo, detalhes em couro e até incluía um extintor de incêndio.
Este foi aquele que viria a ser conhecido como o veículo de James Bond. E foi conduzido pelos vários atores que interpretaram a personagem.

Sean Connery

A história entre Bond e o icónico DB5 começou com Goldfinger (1964), o terceiro filme oficial da saga, e resultou de um pedido especial de John Stears, que conseguiu convencer a Aston Martin a disponibilizar o carro. Tornou-se logo a estrela do filme, tendo sido desvendado numa cena onde Q explica a Bond todos os segredos que o DB5 esconde. Logo no ano seguinte surge Thunderball (1965), e o DB5 volta a ser destaque com Sean Connery ao volante.

Pierce Brosnan

Depois de um interregno de 30 anos, eis que o famoso DB5 volta para as mãos do agente Bond em GoldenEye (1995). Estamos já na era Pierce Brosnan, e o Aston Martin pode ser apreciado em todo o seu esplendor numa fantástica cena de corrida contra um Ferrari 355 GTS.

Daniel Craig

Em Casino Royale (2006), o filme em que James Bond é pela primeira vez interpretado pelo ator britânico Daniel Craig, o mítico Aston Martin DB5 volta a aparecer e tem mesmo um papel extremamente relevante numa das cenas mais curiosas de todo o filme.

O DB5 pertence ao vilão Alex Dimitrios, mas James Bond acaba por o ganhar numa partida do jogo de poker Texas Hold’em, depois de uma aposta desesperada do vilão para tentar reaver o dinheiro que havia perdido para o agente secreto. Bond acaba por revelar o seu par de ases vencedor e recolher a chave do Aston Martin, que depois vemos tratar-se de um modelo diferente do clássico: é conduzido à esquerda e tem uma matrícula bahamense, país onde se desenrola toda esta cena.

A versão conduzida à direita volta a aparecer em Sky Fall (2012), onde é destruído por uma poderosa metralhadora perto do final, e em Spectre (2015), onde a famosa personagem Q o reconstrói. Por último, em No Time To Die (2020), Daniel Craig volta ao volante do DB5, que tem novos truques na manga – que é como quem diz, atrás dos faróis.

Ao todo, o DB5 apareceu em 8 filmes da saga, isto porque também tem uma muito breve aparição em Tomorrow Never Dies (1997).

Artigos Relacionados

Artigos Relacionados

Top