Artigo de Guilherme André
09-04-2020

A Aston Martin é uma das marcas que tem sofrido com os números de vendas. Contudo, recentemente Lawrence Stroll, dono da equipa de F1 Racing Point, comprou 16% da marca por 216 milhões de euros e, em acrescento, injetou 379 milhões de euros em capital. Agora, a Autocar entrevistou o CEO da Aston Martin, Andy Palmer, para tentar perceber onde vai ser investido o dinheiro.

Leia ainda: Coronavírus atrasa lançamento da pick-up elétrica da Rivian

Segundo o mesmo, vai ser implementado um novo plano de negócio. “É tempo para nos tornarmos a Ferrari Britânica, ao pedir aos consumidores que especifiquem os carros individualmente e esperar que sejam construídos. O DBX já começou a mostrar o caminho que queremos seguir”, afirmou Andy Palmer em declarações à Autocar. Assim, a Aston Martin pretende reduzir o número de carros em stock. Se por um lado vão produzir menos veículos, por outro vão conseguir ter uma maior margem de lucro. No total, saíram da fábrica 5800 veículos em 2019 e Palmer pretende baixar esse número já em 2020.

Junte-se ao Automundo no Instagram.

 

Ver essa foto no Instagram

 

Uma publicação compartilhada por automundo.pt (@automundo_pt) em

Aston Martin vai lançar três novos carros nos próximos anos

Para meter o plano em curso, a Aston Martin tem de acabar de se desfazer do stock de carros. De seguida, passam a focar-se em construir carros previamente encomendados. Relativamente a novos modelos, para além do DBX, o Valkyrie continua previsto para 2020. Dois anos depois chegará o Valhalla e, em 2023, o novo Vanquish. Sem esquecer o novo bloco V6 bi-turbo com tecnologia híbrida plug-in que vai integrar a gama de modelos “o mais cedo possível”, segundo Palmer.

Clique aqui para se juntar ao Automundo no Facebook

Artigos Relacionados

Artigos Relacionados

Top