O T.50 é o sucessor espiritual do McLaren F1 e do Brabham BT46B
Artigo de João Isaac
07-06-2019

A Gordon Murray Automotive revelou os principais detalhes do seu primeiro superdesportivo, o T.50. O objetivo de Gordon Murray é claro: produzir o supercarro mais leve, puro e focado no prazer de condução de sempre. Assim, para o atingir, nada como ter cinquenta anos de experiência em engenharia e design na indústria automóvel, inclusivamente na Fórmula 1.

Anunciado em novembro de 2017, o desenvolvimento do T.50 vai já numa fase bastante avançada. O interesse demonstrado por potenciais clientes tem sido enorme. Apesar disso, estes terão de aguardar até 2022, altura em que arranca a produção do T.50. Apenas 100 clientes poderão desfrutar da mais recente interpretação de um superdesportivo aos olhos de Gordon Murray.

“Fiz um estudo sobre o peso dos superdesportivos lançados nos últimos 15 anos. Cheguei à conclusão de que esse valor é 1400 quilogramas. A atenção ao pormenor, permitir-nos-á manter o peso abaixo dos 1000 quilogramas. O meu foco é apenas um: construir o melhor superdesportivo de sempre”, refere Gordon Murray.

Leia ainda: Ferrari SF90 Stradale, o primeiro híbrido plug-in da marca

O T.50 utilizará um motor V12 naturalmente aspirado, capaz de rodar a mais de 12 mil rpm, bem como uma transmissão manual. Uma combinação cada vez mais rara neste exclusivo segmento. Assim, a potência de 650 cavalos permitirá, também, uma relação peso/potência de referência.

Aerodinâmica é grande argumento

Outro campo onde promete redefinir as regras do segmento é na aerodinâmica. Já o McLaren F1, também nascido do génio de Murray, foi inovador nesse campo. Foi, por exemplo, o primeiro a contar com aerodinâmica ativa. Outro exemplo é o Brabham BT46B, o Fórmula 1 com efeito de solo que Gordon Murray projetou. Este utilizava uma ventoinha atrás que acelerava a saída do ar debaixo do carro. Também o T.50 contará com esta solução, mais de quarenta anos depois. Assim, evitam-se inúmeros elementos adicionais na carroçaria, mantendo-se a pureza do design.

Uma solução que também transita do McLaren F1 lançado em 1992 é a disposição dos bancos. O T.50 acomodará três passageiros com o condutor a ocupar uma posição de destaque, ao centro. O preço estimado para o novo T.50 é de cerca de dois milhões de libras, antes de contabilizados os impostos.

Lembra-se do McLaren F1? E do Brabham BT46B? Percorra a galeria e veja as fotos destas icónicas criações de Gordon Murray.

Fotos: Gordon Murray Automotive/Design; McLaren

Artigos Relacionados

Artigos Relacionados

Top