Artigo de Guilherme André
23-03-2020

Quando se fala de poluição vinda dos automóveis, a grande maioria menciona as emissões CO2 provenientes do escape. Os motores a combustão, principalmente Diesel, estão constantemente a ser “bombardeados” com regulamentações e restrições. Este facto tem levado a indústria automóvel a repensar estratégias e a apostar na eletrificação, um mercado que está a ganhar cada vez mais importância. Contudo, um estudo ao encargo da Emissions Analytics, revelou que há uma outra fonte de poluição que tem de ser seriamente discutida. Segundo a investigação, o desgaste dos pneus pode ser até 1000 vezes mais poluente do que emissões de escape.

Leia ainda: Lamborghini atinge valores históricos em 2019 e o culpado é um SUV

As pequenas partículas que se vão soltando dos pneus ao longo do tempo podem ser muito mais prejudiciais para o meio ambiente do que aparentam. Para além disso, os veículos são cada vez maiores e a tendência de mercado são os SUV, algo que agrava ainda mais o problema. O estudo refere ainda que os automóveis elétricos, como costumam ser mais pesados, também contribuem para estes níveis de poluição.

Junte-se ao Automundo no Instagram.

 

Ver essa foto no Instagram

 

Uma publicação compartilhada por automundo.pt (@automundo_pt) em

Desgaste dos pneus não tem qualquer tipo de regulamentação

Perante tamanho problema, Nick Molden, CEO da Emission Analytics refe a importância de ser criada uma regulamentação para este problema. “O que é ainda mais preocupante é que enquanto as emissões de escape estão a ter regulamentações cada vez mais apertadas, o desgaste dos pneus continua sem qualquer regulamentação. Com o crescimento de vendas de SUV pesados e carros elétricos a bateria, emissões não provenientes do escape são um sério problema”.

Clique aqui para se juntar ao Automundo no Facebook

Molden frisou ainda o peso dos veículos. “A indústria automóvel deve arranjar formas de reduzir o peso dos veículos. Algo que é realmente necessário no futuro é a regulamentação para combater este problema. É preciso fazer uma mudança”, terminou.

Artigos Relacionados

Artigos Relacionados

Top