Artigo de Guilherme André
17-10-2019

A AMG, divisão desportiva da Mercedes, viu-se quase “obrigada” a seguir as tendências do mercado cada vez mais eletrificado. Isto acontece porque é necessário respeitar os limites de emissões CO2 exigidas. Para tal, o próximo Mercedes-AMG C63 vai “divorciar-se” do potente e audível V8.

Leia ainda: Peugeot 508 Sport Engineered vai mesmo ser produzido

Em substituição surge um quatro cilindros com sistema híbrido, o primeiro de um grande número de AMG a receber esta solução. Este é o bloco M139, ou seja, o 2.0 lt que equipa, por exemplo, o Mercedes-AMG A45 que debita 421 cv e 500 Nm de binário. No entanto, com o acréscimo do sistema híbrido de 48V, a potência deve chegar perto dos 500 cv.

Veja o vídeo:

Mercedes-AMG C63 com motor híbrido chega em 2022

Foi também confirmado que o próximo Mercedes-AMG C63 vai estar disponível em berlina de quatro portas, coupé e descapotável. Ainda assim, não foram reveladas informações de uma possível carrinha AMG. As vendas devem começar em 2021.

Clique aqui para se juntar ao Automundo no Facebook

Por fim, esta tecnologia de 48V não é estreia na gama AMG. De facto, o CLS 53 AMG está equipado com uma tecnologia híbrida bastante idêntica, algo que adiciona 23 cv e 250 Nm de binário, por sua vez, ao 3.0 litros. Deste modo, não será difícil à casa alemã de atingir os 500 cv.

Artigos Relacionados

Artigos Relacionados

Top