Artigo de João Isaac
10-01-2020

A apresentação nacional da segunda geração do Renault Captur possibilitou-nos um primeiro contacto com aquele que substituirá, muito provavelmente, a primeira geração como líder do segmento dos SUV de segmento B. Estreia a nova plataforma já utilizada pelo Clio e chega com reforçados argumentos, quer ao nível do equipamento de conforto, quer do de segurança.

Leia ainda: Toyota GR Yaris eleva a fasquia e chega com 261 cavalos

Relativamente a motores, neste primeiro teste, conduzimo-lo com o motor Diesel de 115 cavalos e com o 1.3 Turbo, a gasolina, de 130 cavalos. Estes são dois dos motores mais potentes da gama. Superados apenas pela versão de 155 cavalos do 1.3 que também fará parte da oferta. Na base da gama, vai estar o 1.0 Turbo, a gasolina, com 100 cavalos – terá versão a GPL – e também o dCi de 95 cavalos. Ainda este ano, a gama vai incluir também uma inédita versão eletrificada. O já mencionado Captur híbrido plug-in cuja chegada ao mercado está agendada para daqui a seis meses. A autonomia elétrica declarada segundo a norma WLTP é de 50 quilómetros.

Veja o vídeo:

Primeiro contacto com o Reanult Captur surpreendeu

Ao volante do novo Captur, apontámos à Serra da Estrela a fim de o colocarmos à prova. As primeiras sensações são em tudo idênticas às que sentimos ao tomar contacto com o novo Clio, com o qual partilha vários elementos. Principalmente a forma mais robusta e refinada como pisa o asfalto. Isto torna a condução numa experiência mais agradável. É também notória a evolução relativamente ao Captur que sai agora de cena, fruto da adoção da nova plataforma CMF-B.

Veja também: Fiat estreia-se na eletrificação com dois modelos míticos

O motor Diesel destaca-se igualmente pela positiva. Bem insonorizado e com bastante disponibilidade ao toque do acelerador mesmo a ritmos elevados. O funcionamento leve e preciso da caixa de velocidades merece também elogios, contribuindo imenso para a facilidade de condução do pequeno crossover da marca do losango. Este chegou à Covilhã com uma média de consumo ligeiramente acima dos 6 lt/100 km. Mesmo sem qualquer preocupação em fazer descer a média.

Clique aqui para se juntar ao Automundo no Facebook

Já para o regresso, optámos pelo propulsor 1.3 TCe de 130 cavalos. Unidade cuja superior potência e ótima progressividade de entrega vai certamente agradar aos condutores que não resistem a pisar um pouco mais no acelerador. O consumo durante este contacto foi, como seria de esperar, superior ao do bloco Diesel. Mas os percursos e tipo de condução foram também eles bastante diferentes. Num ensaio detalhado, a realizar em breve, a comparação será mais justa e esclarecedora.

SUV gaulês chega ao mercado por 19 200 euros

O novo Renault Captur vai começar a ser comercializado já no próximo dia 18 de janeiro de 2020 e a sua gama compreenderá três níveis de equipamento: Zen, Exclusive e Initiale. Para o seu lançamento, a Renault propõe o Captur Edition One, limitado a 50 unidades, uma versão especial equipado com o motor 1.0 TCe de 100 cavalos e com equipamento de série adicional, proposta por 19 200 euros.

Percorra a galeria e veja o novo Renault Captur.

Artigos Relacionados

Artigos Relacionados

Top