Artigo de João Isaac
21-12-2019

O Renault 5 surgiu em 1972 como um automóvel para todas as ocasiões, capaz de responder a todo o tipo de necessidades. Foi por essa razão que em 1967, Pierre Dreyfus, responsável máximo da Renault entre 1955 e 1975, pediu aos seus engenheiros que dessem início ao projeto de um novo automóvel citadino, mas com uma abordagem muito abrangente.

Leia ainda: Fiat Uno Turbo i.e., o pequeno diabo com rodas que marcou os anos 90

Assim, o novo automóvel da marca do losango deveria ser indicado para as deslocações diárias entre casa e trabalho, para as férias e para o fim de semana, para a cidade e para o campo, apto para quaisquer condições. Lançado cinco anos mais tarde, o Renault 5 não só correspondeu às expectativas, como ainda se destacou pelo seu design inovador e sentido prático fora do comum naquela época.

O Renault 5 era conhecido internamente como projeto 122

O projeto 122, como era conhecido nos corredores das instalações da marca francesa, deveria vir a adoptar o nome Renault 2 quando chegasse ao mercado. No entanto, por ser considerado tão inovador, tão à frente do seu tempo, os responsáveis pelo marketing decidiram “saltar” para o número 5. Quanto a motorizações, o novo 5 continuou a utilizar os propulsores já conhecidos de outros modelos como o icónico Renault 4. Uma das suas grandes inovações foi o design dos para-choques, construídos num polímero capaz de absorver impactos até 7 km/h.

Veja o vídeo:

Tendo atingindo um enorme sucesso comercial, com cerca de 5,5 milhões de unidades vendidas, bem como na competição com o Maxi Turbo, em 1984 o Renault 5 foi substituído pelo Super 5. As linhas exteriores não escondem a sua ligação ao primeiro 5, mas a carroçaria do Super 5 é integralmente nova. Aquando do seu lançamento, no salão de Paris daquele ano, o Super 5 estava apenas disponível na carroçaria de três portas. Ao longo dos seus vários anos de serviço, quer o Renault 5, quer o Super 5, construíram uma justa reputação de fiabilidade e robustez junto dos condutores.

Clique aqui para se juntar ao Automundo no Facebook

Logo no segundo ano de mercado, é lançada a mítica versão GT Turbo do Super 5, com motor 1,4 litros de 115 cavalos. Ainda em 1985 surge também a carroçaria de cinco portas, ligeiramente mais comprida. Até 1990, ano em que foi substituído pelo que viria a ser igualmente um best seller, o Clio, o Super 5 foi vendido em inúmeras versões especiais como o Five e o Tiga. No entanto, atualmente, a versão mais procurada é o veloz GT Turbo, cuja evolução levou o motor até aos 120 cavalos.

Percorra a galeria e recorde o icónico Renault 5.

Fotos: Renault

Artigos Relacionados

Artigos Relacionados

Top