Artigo de Guilherme André
19-06-2020

Estávamos em 2005, época em que Michael Schumacher defendia o sétimo título de Fórmula 1 conquistado no ano anterior. Foi também a temporada em que Tiago Monteiro fazia parte da grelha de pilotos ao volante de um Jordan. No dia 19 desse mesmo ano, ou seja, há 15 anos, a Fórmula 1 registou aquela que é uma das provas mais bizarras de sempre da competição com o GP dos EUA, no circuito misto de Indianápolis Motor Speedway. De facto, dos 20 carros do plantel, 14 foram impedidos de correr devido a questões de segurança.

Leia ainda: Fórmula E com seis corridas em 9 dias para terminar a temporada

Para contextualizar, a Fórmula 1 vivia uma espécie de batalha entre fabricantes de pneus onde existia Michelin e Bridgestone. Em 2005, a pista de Indianápolis tinha sofrido alterações no asfalto, algo que o tornou mais abrasivo. Ora, como a Indy 500 tinha acontecido antes da Fórmula 1, a Firestone, parceira da Bridgestone, preparou pneus mais resistentes para a prova. Assim, a Bridgestone, sabendo da situação, realizou as mesmas alterações, ao contrário da Michelin. Perante isto, o fabricante francês de pneus registou problemas com o nível de degradação e concordaram não participar no GP dos EUA.

Tiago Monteiro ficou no terceiro lugar

Quanto à corrida, os seis pilotos que tiveram autorização para competir, tiveram de respeitar os lugares conseguidos na qualificação. Assim, Michael Schumacher e Rubens Barrischello, ambos da Ferrari, partiam na frente, enquanto Tiago Monteiro arrancava do 17º posto da grelha, à frente do colega de equipa Narain Karthikeyan. Já os Minardi-Cosworth eram últimos. Como seria de esperar a corrida foi muito pouco emotiva, apesar de um momento mais quente entre os pilotos da Ferrari. O alemão empurrou o brasileiro para fora na saída das boxes. Já Tiago Monteiro conquistou o terceiro lugar e não conseguiu esconder a alegria.

Clique aqui para se juntar ao Automundo no Facebook

Este episódio foi de tal maneira mau para a Fórmula 1, que Indianápolis deixou de fazer parte do calendário depois de 2007. Seja como for, é um marco importante para Tiago Monteiro e para o desporto português. Afinal, não é qualquer um que consegue dividir o pódio com o icónico Michael Schumacher.

Artigos Relacionados

Artigos Relacionados

Top