Lance Stroll, o miúdo mimado da F1 que troca provas por festas em iates
Artigo de Hugo Mesquita
11-06-2019

Lance Stroll, 20 anos, é mais um dos muitos jovens que brilham esta temporada na Fórmula 1. Mas ao contrário de outros, como Max Verstappen ou Charles Leclerc, o piloto canadiano não recolhe grande simpatia por parte dos fãs. A razão é bastante simples: não lhe são apontadas qualidades suficientes para figurar entre os 20 pilotos que compõem a grelha da mais importante prova motorizada do mundo.

O jovem canadiano não chegou à F1 por conta da sua qualidade ao volante, mas sim pelo dinheiro do pai. Lance é filho do multimilionário Lawrence Stroll, que fez fortuna com investimentos em marcas de luxo de moda. A Pierre Cardin, a Ralph Lauren e a Tommy Hilfiger estão entre os seus investimentos. Em troca de dinheiro, o jovem preencheu uma vaga na Williams, na estreia. Esta temporada, pelos mesmos motivos, mudou-se para a Racing Point (antiga Force India).

Leia também: Fomos até à Lousã para assistir à festa do Rally de Portugal

Foi a passagem para a antiga Force India que gerou mais revolta junto dos fãs. Isto porque Stroll preencheu a vaga de Esteban Ocon, também um jovem, mas a quem se augura um grande futuro. E isto porque Lawrence Stroll liderou um consórcio de investidores que adquiriu a Force India e formou a Racing Point.

O dinheiro superou o talento e isso não agradou os fãs da F1. Esta questão é várias vezes abordadas pelos pilotos. Lewis Hamilton, cinco vezes campeão do mundo da F1, é um dos mais críticos. “Hoje em dia já não há gente na grelha [de pilotos da Fórmula 1] que venha de famílias da classe trabalhadora”, disse o piloto britânico em 2018.

Veja o vídeo:

“Hoje não posso fazer as provas porque tenho um festa no iate de um amigo e não vou faltar”

A imprensa especializada afirma que os pilotos veteranos não recolhem as melhores das opiniões sobre Lance Stroll, a quem apelidam mesmo de “o miúdo mimado que pôde colar-se à elite [de pilotos]”. Algumas atitudes nos bastidores também não ajudam o jovem piloto canadiano. Segundo relatos da antiga equipa, a Williams, Stroll chegou a cancelar testes privados para testar as suas capacidades para poder estar presente em festas.

Lance Stroll não tem muitos amigos na Fórmula 1

“Hoje não posso fazer as provas porque tenho um festa no iate de um amigo e não vou faltar”, terá dito Lance Stroll, numa dessa ocasiões, segundo contou uma fonte ligada à Williams. Apesar desta atitude, Stroll acabou mesmo por ser escolhido como substituto de Felipe Massa na histórica escuderia. O pai foi um importante investidor de uma equipa que tem passado por uma séria crise financeira nos últimos anos.

Veja também: Charles Leclerc, o novo menino bonito da F1

Apesar de tudo, importa referir que Lance Stroll não é um amador. O jovem piloto fez parte da academia da Ferrari, quando muito jovem, e percorreu várias categorias – nomeadamente nos karts –  até chegar à F1, ainda que não tenha tido um percurso brilhante. Ainda assim, pode se orgulhar do seu primeiro ano na prova rainha, já que fez quarenta pontos e conquistou um pódio – um terceiro lugar no Grande Prémio do Azerbaijão de 2017.

Esta temporada, Lance Stroll corre na equipa da Racing Point ao lado de Sérgio Pérez. O mexicano, curiosamente, é também um piloto associado ao “dinheiro” dos patrocínios. Isto porque recebe um forte investimento do compatriota Carlos Slim, dono de um império das telecomunicações e um dos homens mais ricos do mundo.

Fotos: Reprodução Instagram

Artigos Relacionados

Artigos Relacionados

Top