Artigo de Guilherme André
18-01-2020

Nos anos 80 a Opel decidiu entrar no mundo dos utilitários. Apesar dos vários rivais de segmento, nomeadamente o Polo ou o Renault 5, o Corsa A ganhou vários adeptos em Portugal. De facto, quem está a ler este texto provavelmente teve um, ou conhece alguém que tenha tido.

Leia ainda: Volkswagen Polo G40, o desportivo endiabrado de som inconfundível

Atualmente, ainda há várias unidades que resistiram aos jovens com o “pé pesado” dos anos 80 e 90. Uma clara demonstração da robustez. O Opel Corsa A surgiu no mercado em 1982 com uma carroçaria de dois volumes e sedan de duas portas. Tinha um visual desportivo com linhas muito retas onde se destacavam os guarda-lamas pronunciados. No total eram apenas 3,62 metros de comprimento de carro, mas com um dos melhores coeficientes aerodinâmicos da classe, Cx de 0,36.

Clique aqui para se juntar ao Automundo no Facebook

Aquele que era considerado o irmão mais novo do Kadett, tinha como objetivo, de acordo com Erhard Scnell, designer do projeto, apelar ao “homem da casa”. Mais tarde, em 1985, aparecem as primeiras versões de cinco portas, que ganham uma procura imediata.

Veja o vídeo:

Opel Corsa A com a sigla GSi fazia sonhar

Ao nível de versões, decidimos destacar a que fazia sonhar alguns “petrolheads”: a GSi. Estas três letras acrescentavam ao pequeno Opel Corsa A um motor com 100 cavalos. Hoje este número pode parecer pouco, mas para os loucos anos 80 e 90, era algo que fazia os jovens sonhar. Por fim, o Corsa A foi “best-seller” ao contabilizar um total de 3,1 milhões de unidades produzidas. Este foi a rampa de lançamento para uma longa história do nome Corsa.

Percorra a galeria e relembre o utilitário alemão.

Artigos Relacionados

Artigos Relacionados

Top