Artigo de Guilherme André
10-05-2020

Na década de 70, a venda de automóveis ligeiros situava-se entre as 80 mil e 120 mil unidades ano. Um dos mais procurados era o pequeno Fiat 127, o clássico deste artigo. Lançado em 1971 para o mercado europeu, como substituto do 850, rapidamente começou a ganhar nome. De facto, logo em 1972 conquistou o prémio de Carro do Ano Europeu.

Leia ainda: Datsun 1200, o clássico de tração traseira que marcou uma geração

Por terras portuguesas, era um dos carros mais procurados. Aliás, foi o modelo mais vendido em 1974. Na altura, o Fiat 127 custava em Portugal 95 contos (475€), um preço acima da média, mas que hoje não chega para pagar quatro pneus de gama alta, por exemplo, para um Alfa Romeo Giulia Quadrifoglio. Eram, claramente, outros tempos onde o mundo vivia um contexto difícil. Um ano depois, conquistou o título de carro mais vendido da Europa batendo, por exemplo, o Volkswagen Polo.

Clique aqui para se juntar ao Automundo no Facebook

Voltando ao carro, o pequeno Fiat 127 media 3,59 metros de comprimentos, 1,53 de largura e 1,37 de altura. Ainda assim, ganhou fama por utilizar praticamente todo o espaço que tinha. Cerca de 80% do carro estava disponível para passageiros e bagagens. Debaixo do capot, encontra-se o motor de 903 cc com 47 cavalos que permitia chegar aos 135 km/h, a solução que mais vendeu. Existia ainda outro com 1050cc.

Veja o vídeo:

Fiat 127 foi alvo de dois restylings

Com o passar dos anos, a Fiat decidiu realizar a primeira renovação em 1977, algo que o tornou ligeiramente mais redondo e moderno. Já o último restyling em 1981 trouxe novamente uma remodelação estética. Apesar de ser considerado, por muitos, o antecessor do Fiat Uno (lançado em 1983), o 127 manteve a produção até 1987. Isto garantiu um total de 3,8 milhões de unidades produzidas.

Veja também: Volkswagen Polo G40, o desportivo endiabrado de som inconfundível

Como se não bastasse, conheceu outras variantes e, aliás, foi utilizado por outras marcas. Em Espanha foi produzido com o nome Seat 127 e era realmente idêntico. A única diferença era o portão traseiro e, claro, os logos. Em suma, o Fiat 127 fez parte da vida de muitos portugueses e, ainda hoje, é um carro com presença assídua em passeios de clássicos. Ao passar de geração em geração, é hoje considerado um dos carros mais emblemáticos da história da Fiat e, diga-se, merece todo o reconhecimento.

Percorra a galeria e recorde o clássico italiano.

Artigos Relacionados

Artigos Relacionados

Top