Artigo de Guilherme André
19-04-2020

Atualmente o mercado está recheado de berlinas desportivas, como por exemplo, os M da BMW, RS da Audi ou AMG da Mercedes. No entanto, este tipo de carro teve início em 1959 pelas mãos da Jaguar. Nesse ano, a marca britânica apresentou o Jaguar Mark 2, o sucessor do Mark 1 apresentado em 1955. O design rompeu com o que existia e, ainda hoje, é considerado como uma das berlinas mais elegantes de sempre. Face ao antecessor, apresentava uma maior superfície vidrada, acabamentos  com refinamento superior e mais conforto.

Motor seis cilindros em linha 3.8 lt chegava aos 220 cavalos

No entanto, a verdadeira revolução acontecia debaixo do capot. O Jaguar Mark 2 foi apresentado com o extraordinário seis cilindros em linha 3.8 litros, o motor mais potente do modelo. Estava associado a uma caixa de quatro velocidades e uma “overdrive” (uma espécie de quinta). Os 220 cavalos (menos 20 cv do que o famoso Mercedes “Asas de Gaivota”) e aproximadamente 300 Nm de binário, permitiam chegar aos 202 km/h, e acelerar dos 0 aos 100 km/h em 8,5 segundos.

Leia ainda: BMW M1, o ícone que marca o ínicio da designação M

Parecem números “normais” para a realidade atual, mas nos anos 60 eram excelentes. Em suma, era um carro que transportava quatro adultos com todo o conforto, mas ao pisar o acelerador era capaz de bater-se com os melhores desportivos da época. Esta união entre conforto e performance era extremamente raro nos anos 60. A título de curiosidade, houve quem se atrevesse a modificar estes motores. Diz-se que é relativamente fácil atingir 280 cavalos com ligeiras modificações em alguns componentes.

Clique aqui para se juntar ao Automundo no Facebook

Ainda assim, o Jaguar Mark 2 é mais do que um carro de velocidade. O chassis é bem desenhado, conta com suspensão dianteira em paralelogramo deformável e garante uma boa distribuição de peso. Para além disso está equipado com travões de disco e uma direção precisa. Como se não bastasse, a Jaguar decidiu incluir de série um diferencial traseiro autoblocante. Perante tamanhos argumentos, não é de estranhar que tenha sido um carro muito procurado pelo mundo da competição ao entrar nas mais variadas provas.

Veja o vídeo:

Vendas fora do comum e o preferido dos ladrões

Este clássico, um dos mais marcantes de sempre da Jaguar, também é conhecido por histórias fora do comum. Em primeiro lugar, teve um dado curioso no que diz respeito a vendas. A versão mais procurada foi a mais cara: o 3,8 lt seis em linha que referimos neste artigo. No total foram vendidas 30 141 unidades, enquanto o 2,4 lt, o mais acessível, foi entregue a 25 173 condutores. Deixa claro que quem o procurava não olhava a custos, simplesmente queria o melhor.

Veja também: Audi RS2, a carrinha desportiva com um toque de Porsche

Para além disso, como era mais rápido do que a grande maioria dos carros dos anos 60, foi adorado pelos assaltantes da época. Era extremamente frequente ver um Jaguar Mark 2 associado a roubos naquela época como “plano de fuga”. Mas como é que a polícia combateu isto? Viu-se obrigada a adquirir os mesmos veículos para poder ter hipótese de os apanhar.

Percorra a galeria e recorde o Jaguar Mark 2.

Artigos Relacionados

Artigos Relacionados

Top