Artigo de Guilherme André
11-03-2020

Seis anos depois do lançamento, o BMW i8 está a chegar ao fim de vida. O comunicado foi feito pela própria marca que refere o fim da produção em meados de abril. Voltando um pouco atrás no tempo, até setembro de 2019, a BMW lançou uma edição especial do desportivo híbrido plug-in com o nome “ultimate sophisto”. Esta deixou os primeiros indícios de que o ciclo de vida estava a chegar ao fim. Para a história ficam mais de 200 mil unidades produzidas (número atingido em dezembro de 2019), algo que o torna no veículo desportivo eletrificado mais vendidos da atualidade.

Leia ainda: Toyota lidera ranking de marcas menos poluentes na Europa

O design exterior foi um dos principais atrativos do BMW i8. O desportivo apresentou-se em 2014 com um visual futurista de linhas dinâmicas e aguerridas. Naquela época foi o princípio de uma realidade eletrificada que está cada vez mais enraizada no mundo automóvel. Para além de ser um dos pioneiros da divisão “i” da BMW, marca também a entrada da marca bávara no mundo dos híbridos plug-in.

Junte-se ao Automundo no Instagram.

 

Ver essa foto no Instagram

 

Uma publicação compartilhada por automundo.pt (@automundo_pt) em

BMW i8 conjuga motor três cilindros com propulsor elétrico

Para impulsionar este desportivo, o fabricante recorreu a um motor três cilindros turbo 1.5 lt que produzida 231 cv. Em associação surgiu um propulsor elétrico com 131 cv, montado no eixo dianteiro. Em suma, permite ter um veículo de tração integral com uma potência combinada de 362 cavalos. Este facto foi inovador, visto que a palavra desportivo na BMW era sinónimo de motores grandes, nomeadamente seis cilindros em linha ou V8.

Veja também: Versão descapotável do Volkswagen T-Roc já tem preços

Ao nível de performances acelera dos 0 aos 100 km/h em 4,4 segundos, enquanto a velocidade máxima é de 250 km/h. Sem esquecer a bateria de 71, kWh que permite percorrer até 37 km em moto elétrico. Em 2017 recebeu uma atualização que melhorou os valores de potência para os 374 cv, enquanto a autonomia elétrica passou para os 55 km. Isto porque foi aumentada a capacidade de bateria para os 11,6 kWh.

Próximo destino? O museu

Por fim, não há qualquer tipo de planos para um possível sucessor do BMW i8. Ainda assim, não vai ser esquecido como o “pai” dos híbridos plug-in da marca bávara. Como tal, tem um espaço bem guardado no vasto museu da BMW. Considerado um futuro clássico desde o lançamento em 2014, o i8 vai “pendurar as botas” junto de modelos míticos que fazem parte da história.

Clique aqui para se juntar ao Automundo no Facebook

Percorra a galeria e relembre o BMW i8.

Artigos Relacionados

Artigos Relacionados

Top