Artigo de Guilherme André
25-05-2020

É preciso recuar 30 anos para falarmos do primeiro Renault Clio. Com a difícil tarefa de suceder o icónico Renault 5, o Clio surgiu em 1990 com argumentos que rapidamente o tornaram num sucesso. Só nas primeiras quatro gerações foram entregues mais de 15 milhões de unidades e, a atual geração, parece seguir pelo mesmo caminho. No entanto, mais do que um simples carro económico e acessível para as famílias portuguesas, foi um modelo que conheceu várias versões únicas e que ficaram para a história.

Renault Clio Williams (1993)

Em 1993 surgiu o Renault Clio williams, uma variante inspirada pela presença da marca francesa no campeonato do mundo de Fórmula 1 com a equipa Williams. Este estava equipado com um motor 2.0 litros de 150 cavalos. Pode parecer um número pouco relevante, mas de recordar que o carro pesava menos de 1000 kg. Ou seja, tinha uma relação peso/potência praticamente perfeita. Curiosamente, o Renault Clio Wiliams foi limitado a apenas 3800 unidades. Porém, a procura foi de tal maneira surpreendente, que a Renault foi “obrigada” a alargar a produção para mais de 12 mil unidades.

Leia ainda: Mazda MX-30 chega em setembro e já sabemos os preços

Primeiro Clio Renault Sport (1998)

Depois do sucesso da primeira geração, o sucessor foi lançado em 1998. Este apresentava-se mais arredondado e elegante com melhores argumentos ao nível de motores. Esta geração foi também a primeira a receber um Clio Renault Sport, também conhecido por RS. De um modo geral, o utilitário recebe um motor 2.0 litros com 172 cavalos que impulsionava o desportivo até aos 220 km/h.

Renault Clio V6 (2001)

No entanto, o principal destaque da segunda geração apareceu em 2001. Falamos do extravagante Renault Clio V6. Basicamente, a Renault, com a ajuda da TWR (Tom Walkinshaw Racing), colocou um motor 3.0 litros V6 com 230 cavalos. Localizado numa posição central-traseira, tornava o carro numa verdadeira máquina a pensar nos condutores. Como se isto não bastasse, o Clio V6 conheceu uma segunda geração onde a potência subiu para os 255 cavalos. Em Portugal, apenas foram vendidas 3 unidades, de acordo com os dados da marca gaulesa.

Veja também: Todos os carros da Volvo com velocidade máxima limitada a 180 km/h

Renault Clio RS Gordini, uma homenagem merecida (2011)

Saltando para a terceira geração (2005 a 2012), o utilitário crescia em tamanho, mas também mudava bastante ao nível visual. Destaque para a conquista do prémio Carro do Ano em 2006. Nesta geração, a variante mais exclusiva foi apelidada de Renault Clio RS Gordini. Esta série limitada foi criada em homenagem aos carros icónicos preparados por Amédée Gordini. Aliás, foi de tal maneira importante que chegou a ser uma divisão desportiva dentro da própria Renault.

Quarta geração mostrou primeiro Clio RS turbo (2012)

Com o lançamento da quarta geração (2012 a 2019), o Renault Clio RS apresentou-se, pela primeira vez na história, com um motor turbo. Assim, o desportivo estava equipado com o bloco 1.5 turbo de 200 cavalos associado à caixa automática EDC. Como se isto não bastasse, o fabricante gaulês revelou ainda, em 2015, a variante Trophy. Esta aumentava a potência para os 220 cavalos e recebia alterações ao nível de chassis para uma dinâmica mais apurada.

Clique aqui para se juntar ao Automundo no Facebook

Em suma, o Renault Clio foi muito mais do que um mero utilitário acessível. Ao longo destes 30 anos de história, continuados agora pela quinta geração, mostrou-nos que é um nome que ainda tem muito para dar.

Percorra a galeria e relembre cinco versões que ficaram para a história do modelo.

Artigos Relacionados

Artigos Relacionados

Top