Artigo de Guilherme André
25-10-2019

A oitava geração do Volkswagen Golf foi finalmente apresentada. Depois de vários teasers, fotos espia e afins, a casa alemã mostrou a nova forma do best-seller e um dos veículos mais icónicos do mercado. Tal como foi salientado no artigo sobre as sete gerações do modelo, a marca de Wolfsburgo manteve o principio de “ainda parece um Golf”. De facto, olhando para o exterior, não observamos uma revolução de estilo, bem pelo contrário. Tal como mostra a foto das oito gerações na galeria em baixo, mantém a silhueta que lhe é reconhecida e o pilar C bem delineado.

Leia ainda: Polestar inaugura primeiro espaço de vendas na Europa

Ainda assim, nem tudo é igual. Começando pela dianteira, destaque para o novo desenho de faróis, mais rasgados e situados numa posição mais baixa. Para além disso, o capot mantém o design do antecessor, ainda que seja ligeiramente abaulado. Já na traseira, destaque para a passagem do logo “Golf” para a uma zona central da tampa da mala, tal como podemos ver no T-Cross. De salientar ainda a nova assinatura de luz.

Interior do Volkswagen Golf 8 marca pela digitalização

As grandes mudanças acontecem no interior. Este que é o Volkswagen Golf mais tecnológico de sempre, recebe uma autêntica revolução digital. Assim, podemos encontrar um digital cockpit (10,25 polegadas) de série, que é unido ao ecrã tátil central de 8,25 polegadas (10” em opcional) onde se encontra o sistema de infotainment. Esta solução é idêntica à da Mercedes, algo que deve tornar-se moda num futuro próximo.

Clique aqui para se juntar ao Automundo no Facebook

Algo que demonstra a aposta na digitalização é a passagem das luzes e desembaciador para o lado esquerdo do painel de instrumentos. Já ao nível de conectividade, os passageiros encontram tomadas USB-C, tanto à frente como atrás, bem como um carregador sem fios. O Golf é ainda o primeiro Volkswagen munido da assistente virtual da Amazon, a Alexa. Assim, é possível fazer várias coisas por voz, desde compras a perguntas banais, por exemplo, como está o tempo. Contudo, a única língua portuguesa no assistente é com sotaque brasileiro.

Veja o vídeo:

Novas motores mild-hybrid e continuação do Diesel

Ao nível de motores o grande ponto diferenciador é a eletrificação. Começando pelos Mild-hybrid, ou seja, sistemas de 48V, a sigla é agora eTSI. Deste modo as variantes de 110, 130 e 150 cv (quatro cilindros 1.5 turbo) permitem uma redução de consumos de combustível, de acordo com o comunicado, na casa dos 10%. Todas as opções recorrem à DSG de sete velocidades.

Algo que se mantém é o Diesel. Contra as tendências de mercado, a Volkswagen mantém a aposta neste tipo de combustível. Assim os clientes têm à disposição o 2.0 TDI com 115 e 150 cv. Porém, recebe um sistema de dois catalisadores, algo que tem como objetivo reduzir as emissões.

Veja também: Mitsubishi com duas estreias mundiais no Salão de Tóquio

Passando para a versão GTE, que é como quem diz o híbrido plug-in, a potência chega aos 245 cv, tal como no Passat que fomos conhecer na apresentação nacional. Surge ainda uma versão mais acessível, denominada eHybrid, com 204 cv. De acordo com a Volkswagen, a autonomia elétrica chega aos 60 km, graças à bateria de 13 kWh.

Volkswagen Golf 8 mantém as versões desportivas GTI, GTD e R

Os fãs dos desportivos vão continuar a ter as míticas siglas GTI e R. Segundo o que foi dito na imprensa internacional, o primeiro deve chegar aos 245 cv, enquanto o R espera-se que ultrapasse os 330 cv. Já a versão Diesel GTD deve ficar-se pelos 200 cv. Por fim, a previsão de chegada ao mercado português é para março, mas pode ser encomendado já em dezembro. Ao nível de níveis de equipamento, tal como na Passat, há novas definições. A base é Golf, seguido de Life, Style e R-Line.

Percorra a galeria e conheça a oitava geração do best-seller da Volkswagen.

Artigos Relacionados

Artigos Relacionados

Top